O melhor da Alta Costura

A Semana de Alta Costura começou no dia 23, mas com toda essa correria de São Paulo Fashion Week, acabou faltando tempo de cobrir os dois grandes eventos ao mesmo tempo. Agora que vocês já tem tudo o que rolou nesses dias de SPFW, vamos ver o que está acontecendo de melhor em Paris? 
Versace voltou ao line-up e foi a primeira etiqueta a abrir a temporada da Alta Costura. Giambattista Valli, Dior, Gustavo Lins, Giorgio Armani, Chanel e Givenchy foram os principais destaques de ontem e de segunda-feira. Vejam um breve resumo tratando de cada coleção.


A Versace voltou trazendo uma diva glamourosa e cheia de metalizados. As formas tridimensionais trazem a mulher poderosa digna de uma Versace ao exibir as pernas nas delicadas fendas. Um olhar futurista nos recortes e uma silhueta justa que valoriza as formas e continua a trazer o sereísmo. A sensualidade das transparências aparece na renda mostrando que Donatella soube voltar com muito glamour à Alta Costura. Os mínis vêm com casaquetos e botas de cano alto. O metalizado vem em tons de laranja, verde, prata e ouro. As lantejoulas e os cristais bordam o chiffom, além de tecidos como a seda, o cetim e o tafetá que trazem de volta a guerreira cheia de glamour da Versace.








Giambattista Valli, o mais novo integrante da Paris Couture, traz uma mulher confiante e clássica parisiense. Um perfume marcado de anos 60 traz as rendas, o brilho, os bordados, as flores, cintura marcada e muita elegância. Tons de branco e preto com leves decotes, aquele brilho com pitadas de metalizado, rendas levíssimas e transparências. As pétalas de organza são aplicadas, alguns bordados são feitos manualmente e a saia armada estilo Antonieta vêm cheia de estampa floral! Em geral, uma mulher clássica com toda uma leveza no modo de vestir-se vinda diretamente da Alta Costura de Paris. Ótima estreia!







A Dior leva a mulher de volta aos anos 40/50 com uma cintura marcada, transparências que revelam o corpo e saia godê. O bordado marca presença em motivos florais ou como ponto de luz. Plissados, volumes nas saias e laços trazem a feminilidade dos vestidos dignos de princesas. A leveza fica por conta das transparências nos vestidos fluídos e a cartela de cores fica entre o cinza, o vermelho, roxo e claro, o preto e branco. 








Gustavo Lins, o brasileiro da Alta Costura, trouxe uma mulher vinda da Espanha e sem castanholas! A mulher de Gustavo tem uma sensualidade sugerida, seus vestidos são de tecidos nobres e passeiam pela década de 40 nos tapetes vermelhos de Hollywood. Há uma mescla de materiais luxuosos, como a seda, o cetim, as peles e o algodão. O corpo tem a cintura marcada e decotes nas costas, além de modelos fluídos que trazem a elegância sóbria e impecável que o estilista adora. Tons de preto, cinza, marrom e verde mesclam a paleta de cores da silhueta solta e moderna das dançarinas de flamenco trazidas por Gustavo.









Giorgio Armani deu ênfase ao verde, que predominou em todos os seus looks. Cheia de brilhos, a coleção trazia formas mais simples e clássicas. Notei (particularmente) o mundo dos répteis numa estampa de cobra; crocos bem poderosos em jaquetas e estampas manuais misturadas à estampas digitais trouxeram mais da mulher de Armani. Um drapeado aqui, um decote ali, um volume aparecendo de vez em quando. O conjunto de tudo isso resultou numa mulher de silhueta simples, elegante, clássica e claro, que ama um bom verde. O que mais me agrada são os vestidos que aparecem na última sequência, com muito brilho. Mas cá entre nos, cadê o poder do tapete vermelho nesta salada vegetariana? É coleção é linda, mas falta algo, é muito repolho pra pouca carne.












Karl Lagerfeld fez um voo para a Chanel! O desfile aconteceu dentro um avião montado exclusivamente para o evento e com uma decoração baphonica. É de se surpreender? Não! Pois já sabemos que Chanel é Chanel e ponto. A coleção inspirada na aviação, vem em tons de azul e traz um leve futurismo. As peças clássicas continuam presentes e as pérolas, que são consagradas pela etiqueta continuam com tudo. A silhueta é clássica, os bordados, como de costume, são preciosíssimos e bem detalhados. A mulher da Chanel continua esbanjando elegância com os casaquetos de gola sixties e trazendo a sensualidade em meio a transparências e escamas de paetês que trazem o brilho da marca. Os mínis estão em maioria e os longos são leves com transparências e muito brilho. Na cabeça, os fascinators e camélias com plumas exuberantes e poderosas. O poder da Chanel continua junto à elegância que fascina em peças clássicas e sabe levar os fashionistas e fãs da marca às alturas, literalmente. Pontos e mais pontos para o comandante da nave Chanel: Karl!















Givenchy traz os looks com o poder de sempre. E que poder! Vestido de tule com aplicações de couro, aplicações de cristais e uma pantalona de nos deixar babando: cheia de aplicações de mini flores! O trabalho é bem primoroso e elaborado. As cores são clássicas: o preto, o branco e marrom. Ricas texturas, brilhos, bordados, aplicações e franjas de cristais, luvas de couro, saias longas, blusas com transparências e jaqueta de couro fazem a mulher da Alta Costura de Ricardo Tisci. Elegância e poder!













O post ficou enorme, eu sei. Mas de alguma maneira eu tinha que compensar vocês pelo atraso! Todas as fotos estão aí. Agora, me digam: o que acharam? Beijos!

4 comentários:

Cátia Rodrigues

Ando doida pela colecção da Versace. queria cada peça no meu armário :)

yiqin;

loved chanel. how amazing it is to be held on a plane?!

Inês de Castro

Os looks Chanel estão fabulosos. Os Elie Saab também, não sei se já os viste ;)

Passa pelo meu blog
http://petitlivrenoir.blogspot.com/

AndréiaFSalim

Adorei este post!!!;)